Black Friday

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Dívidas com a prefeitura já podem ser parceladas em 12 meses

 - Começou a vigorar desde ontem a “Black Friday” criado pelo prefeito Humberto Souto, onde quem deve a Prefeitura de Montes Claros pode pagar a divida em 12 meses, inclusive por meio de cartão de crédito, sem pagar a multa e juros. É a maior proposta de renegociação de dívidas dos últimos anos em Montes Claros. Porém, apesar de uma divida acumulada de R$ 331 milhões, a Prefeitura acredita que receberá apenas R$ 5 milhões. O prefeito Humberto Souto salienta que essa será a última oportunidade para quem desejar negociar a dívida, pois depois disso, será feita a cobrança, dos modos necessários, pela via administrativa ou judicial. Ele lamenta que os vereadores tenham reprovado a autorização para protestar as dívidas, que evitaria aos devedores pagar honorários advocatícios. Nos outros moldes, será feita essa cobrança.

A Lei Complementar 56, de 23 de março de 2017, foi publicada ontem no Diário Oficial e institui o Programa Municipal de Recuperação Fiscal (Refis 2017), com a anistia de multas e remissão de juros e propõe a regularização de créditos tributários e não tributários do município, decorrentes de débitos de pessoas físicas e também de pessoas jurídicas, com vencimento até 31 de dezembro de 2016, constituídos ou não, inscritos ou não em dívida ativa, ajuizados ou a ajuizar, com exigibilidade suspensa ou não, inclusive os decorrentes de falta de recolhimento de valores retidos. Eles poderão ser parcelados em até 12 vezes, cuja prestação não pode ser inferior a R$ 30,00.

Os servidores públicos municipais ou seus sucessores, em caso de morte ou ausência legal, poderão parcelar em até 18 vezes, com anistia de 100% de multas e remissão de 100% de juros, desde que as amortizações das parcelas sejam consignadas em folha de pagamento ou descontando-se débitos decorrentes de prestação de serviços ao Município. Os débitos inscritos em dívida ativa, ajuizado para cobrança executiva, o pagamento do débito não dispensa o recolhimento das custas processuais. Após a efetivação do parcelamento, a Procuradoria-Geral do Município ou o contribuinte, providenciarão o pedido de suspensão da ação judicial, até a quitação integral do débito. O prazo para adesão ao Programa de Recuperação Fiscal-REFIS 2017 será de 60 dias após a data da regulamentação desta Lei, podendo ser prorrogado por igual período.

Jornal Gazeta

Eu, Passarinho

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Alunos do curso de Artes/Teatro apresentam peça em comemoração ao Dia Mundial do Teatro

-  Nesta segunda-feira (27 de março), é comemorado o Dia Mundial do Teatro. Para marcar a comemoração, os acadêmicos do 8º período do curso de Artes/Teatro, da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), montaram o espetáculo "Eu, Passarinho", apresentado no Centro Cultural Hermes de Paula, na cidade.

A primeira encenação aconteceu nesse domingo (26/3). A peça também será apresentada em mais dois dias: segunda e terça-feira (28), sempre às 20 horas. O espetáculo é voltado para a comunidade em geral, com ingressos a preços acessíveis: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia).

Com direção da professora Nelcira Durães, a peça "Eu, Passarinho" foi inspirada no conto "O Embondeiro que Sonhava Pássaros", do escritor Mia Couto, de Moçambique. A narrativa aborda os choques culturais entre africanos e portugueses durante o período colonial.

No conto, os personagens Tiago e o Passarinheiro simbolizam a dicotomia do homem africano, antes e depois da colonização. A ligação ao sagrado é descrita por meio dos pássaros que representam a liberdade e simultaneamente o embondeiro (árvore-símbolo da entrega à terra).

Arte: Gu Ferreira

SERVIÇO
Espetáculo peça "Eu, Passarinho"
Comemoração alusiva ao Dia Mundial do Teatro
Sessões: segunda e terça-feira (28/3)
Horário: 20h
Local: Centro Cultural
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada)

Ascom-Unimontes

Dia D

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Guerra contra o aedes Aegypti  coletou 661 toneladas em Montes Claros

 - O “Dia D” de combate ao mosquito Aedes Aegypti, em Montes Claros, foi iniciado por volta das 7h30 do último (25). Os 600 agentes e operários, bem como os 60 caminhões, caçambas e outras máquinas pesadas da Prefeitura e de empresas privadas e outras instituições foram concentrados na Praça dos Jatobás, no bairro Morada do Sol, de onde seguiram para os seus respectivos itinerários, para coletar todo e qualquer material inservível que poderia se tornar criadouro do mosquito, responsável pela transmissão da Dengue, Chikungunya, Zica Vírus e Febre Amarela.

A ação é desenvolvida pela Prefeitura, por determinação do prefeito Humberto Souto e a previsão é de que sejam recolhidas cerca de 200 toneladas de objetos e vasilhames. Todo o material está sendo levado para o aterro, no nas proximidades do Jardim São Geraldo.

A comunidade está colaborando ativamente das ações, e colocou para fora todo e qualquer objeto desnecessário que poderia acumular água parada. A comunidade também está se comprometendo a agir constante e preventivamente, em parceria com a Administração, no combate ao mosquito. Foram e estão sendo coletados materiais descartados de lotes vagos e residências, como garrafas, pneus, embalagens, tonéis, dentre outros vasilhames. Cada uma das quatro áreas da cidade está sendo assistida por 150 agentes e operários e por 15 caminhões e caçambas.

O coordenador do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Luís Osmane Borges destaca que a ação está sendo um sucesso e que a preocupação maior foi devido aos números apresentados pelo último Levantamento de Infestação Rápida do Aedes Aegypti (LIRA), realizado em janeiro. Na ocasião, mosquito tinha focos em 3,4 por cento dos imóveis visitados. O índice é considerado de médio risco de contaminação. Hoje este índice aumentou. O coordenador lembra que na zona norte de Montes Claros foram disponibilizadas, ainda, diversas caçambas estacionárias para facilitar o descarte e o recolhimento do material. “A Prefeitura, este ano, também realizou atividade semelhante no distrito de São Pedro das Garças”, frisou.

A secretária de Saúde de Montes Claros, Dulce Pimenta, representou o prefeito Humberto Souto, no evento. Frisou que as ações deste sábado são importantes, mas que a população deve contribuir, reservando tempo necessário para limpeza e realização de ações preventivas em residências e outros ambientes, para que o mosquito seja derrotado. “Estamos confiantes e realizando um trabalho de boa qualidade”, afirmou a secretária, ao destacar que mais de 130 mil pessoas já foram imunizadas, na zona rural e no perímetro urbano do município, este ano, contra a febre amarela.

Tanto o presidente da Câmara Municipal, Cláudio Prates, quanto o vereador Sóter Magno, frisaram a importância das ações e parabenizaram a Prefeitura e a população pelo empenho no combate ao mosquito. Ambos salientaram que a cidade deve dar exemplo para a região e que a Câmara apoia totalmente ações desta espécie, de interesse coletivo.

APOIO POPULAR – A comunidade está dando total apoio às ações desenvolvidas pela Prefeitura de Montes Claros, alicerçada pela iniciativa privada e outras instituições. Os senhores Leondino Ferreira e José de Souza, ambos moradores da Rua F, Bairro São Geraldo, lembraram que as ações são de grande importância para a limpeza da cidade e que a população deve contribuir. “É muito importante para a nossa saúde”, declarou o senhor José de Souza.

A moradora da Rua Venezuela, a senhora Jane Santos, disse que na tarde de sexta-feira colocou para fora todos os objeto e vasilhames que poderiam acumular água. “Além disso, joguei para fora pneus velhos, garrafões e acredito que as ações da Prefeitura estão sendo exemplares”, lembrou.

O morador do Village do Lago, Fabiano Corte, deixou o seu bairro para apoiar os sogros, no Renascença. “Vim ajuda-los”, afirmou, lembrando que o recolhimento destes materiais é importante, mas que a comunidade tem de ficar atenta no sentido de combater o mosquito, que sempre está ameaçando a sociedade.

Ascom-Prefeitura Montes Claros

Da era Ruym

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

CLI encontra carro indiano na frota de Montes Claros

O carro indiano parado por falta de peças (Foto: Girleno Alencar)

A Comissão Legislativa de Inquérito que apura irregularidades no setor de transportes em Montes Claros visitou ontem de manhã a Garagem Municipal e o Almoxarifado da Meca, quando encontrou vários carros sem bateria e estepe e curiosamente um carro Pick Up de marca indiana Mahindra que está parado há vários meses por falta de um filtro e ainda embreagem, peças que não são encontradas na cidade. A comissão foi formada pelos vereadores Aldair Fagundes, José Marcos Martins de Freitas e Valdecy Fagundes, que não encontraram muitos vestígios de irregularidades nesse primeiro momento. A CLI investigará os casos de 2000 até 2017.

O único caso foi repassado a CLI, onde no final do ano passado um funcionário foi demitido depois de retirar o combustível de um veiculo municipal e ter colocado em seu veiculo. Ele foi demitido no mês de dezembro. Os colegas de serviço do demitido alegaram que esse caso foi consequência de quebra de braços nos bastidores, pois o acusado tomou essa medida depois que um trator da Prefeitura ficou 15 dias quebrado na zona rural. Ele teria retirado combustível de um dos veículos da Prefeitura, colocado do carro dele para chegar ao local e consertar o veículo do município.

Os responsáveis pelo setor alegaram que muitos carros em condições de uso foram encostados no final do ano passado, para serem vendidos, o que não ocorreu. O vereador Aldair Fagundes explica que no relatório recebido da Prefeitura, a frota municipal é de 396 carros, sendo que 118 deles estão quebrados. Tem um caso onde cinco carros foram consertados pelo valor de R$ 92 mil, mas voltaram a ficar parados. Um deles é o Pálio Week End placa HNM 5128, que ficou em R$ 19 mil o conserto e foi encostado. O Fiat placa HMN 5636 estava sem estepe e bateria. Os funcionários alegam que são obrigados a fazerem rodízio das baterias, pois quando uma delas acaba a demora em comprar uma nova, através de licitação, atrasa demais.

Os vereadores ainda encontraram vários ônibus do transporte escolar encostados, sem utilização e foram informados que com o fim do Tempo Integral em várias escolas teve de suspender várias rotas e horários e os veículos estão na Garagem Municipal. Na segunda-feira a CLI ouviu o vereador Martins Junior, autor do pedido da investigação, que denunciou o aumento nos gastos municipais com combustível, que em 2013 era de aproximadamente R$ 500 mil e no ano passado chegou a R$ 2,6 milhões. A CLI irá se reunir todas as quartas-feiras, a partir das 10 horas, para que estes questionamentos possam ser sanados o mais rápido possível.

Jornal Gazeta

Mais um golpe

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Raquel Muniz ajudou rasgar a CLT

  - Deputada aprovou terceirização irrestrita da mão-de-obra

Com voto favorável da deputada Raquel Muniz contra os trabalhadores, a Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira 22 o texto-base de um projeto que libera a terceirização do trabalho apresentado há 19 anos pelo governo Fernando Henrique Cardoso. Após a votação dos destaques, a proposta de 1998 depende apenas de sanção do ilegítimo  e golpista Michel Temer.
A oposição chegou a levar patos de borracha para o plenário em inusitado protesto, além de dizer que o projeto é para pagar a "fatura" pelo apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo à destituição de Dilma Rousseff. "É para pagar a conta do golpe, a conta da Fiesp", ironizou o deputado petista Paulo Pimenta.

 

Veja como votaram os deputados mineiros no projeto da terceirização

Entre a bancada mineira, 26 votaram a favor do projeto, 18 contra e um deputado se absteve

Dos 231 votos a favor do Projeto de Lei (PL) 4.302/1998, de autoria do Executivo, que permite terceirização irrestrita em empresas privadas e no serviço público, 26 foram de deputados mineiros. Já entre os 188 contra, 18 vieram da bancada de Minas. Ao todo, oito parlamentares se abstiveram, sendo que um deles é o mineiro Misael Varella (DEM).
Confira a lista:
Favoráveis
Carlos Melles (DEM)
Fábio Ramalho (PMDB)
Leonardo Quintão (PMDB)
Mauro Lopes (PMDB)
Rodrigo Pacheco (PMDB)
Saraiva Felipe (PMDB)
Dimas Fabiano (PP)
Franklin Lima (PP)
Luiz Fernando Faria (PP)
Renato Andrade (PP)
Renzo Braz (PP)
Toninho Pinheiro (PP)
Bilac Pinto (PR)
Delegado Edson Moreira (PR)
Marcelo Álvaro Antônio (PR)
Tenente Lúcio (PSB)
Diego Andrade (PSD)
Marcos Montes (PSD)
Raquel Muniz (PSD)
Caio Nárcio (PSDB)
Domingos Sávio (PSDB)
Eduardo Barbosa (PSDB)
Marcus Pestana (PSDB)
Paulo Abi-Ackel (PSDB)
Rodrigo de Castro (PSDB)
Luis Tibé (PTdoB)

 

Contrários
Jô Moraes (PCdoB)
Mário Heringer (PDT)
Subtenente Gonzaga (PDT)
Welliton Prado (PMB)
Lincoln Portela (PRB)
Eros Biondini (PROS)
George Hilton (PSB)
Júlio Delgado (PSB)
Stefano Aguiar (PSD)
Dâmina Pereira (PSL)
Adelmo Carneiro Leão (PT)
Leonardo Monteiro (PT)
Margarida Salomão (PT)
Padre João (PT)
Patrus Ananias (PT)
Reginaldo Lopes (PT)
Ademir Camilo (PTN)
Zé Silva (SD)
Abstenções
Misael Varella (DEM)

Relatório agroclimatológico

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Prefeitura e Emater traçam planejamento para amenizar prejuízos da seca no município

 - A Prefeitura de Montes Claros através da Defesa Civil e Secretaria Municipal de Agricultura em parceria com a Emater-MG, traçaram um planejamento para amenizar os prejuízos que a seca causou no município, após o prefeito, Humberto Souto, decretar em fevereiro, situação de emergência nas áreas afetadas pela estiagem. A ideia é desenvolver estratégias de convivências com a seca e ajudar os produtores rurais, que foram os mais castigados com o fenômeno.

O planejamento foi elaborado com base em um relatório agroclimatológico emitido pela Emater-MG que aponta dados produtivos e financeiros referentes à safra agrícola 2016/2017, período entre julho de 2016 a janeiro deste ano. De acordo com o documento, o setor agropecuário sofreu um prejuízo na ordem de R$ 65.374.920,00. O impacto maior foi no setor de bovinocultura, que contabilizou quase R$37 milhões com a perda de pastagens, por falta de água. Os dados confirmam um quadro de insegurança hídrica generalizada no meio rural.

Segundo o técnico da Emater-MG, José Arcanjo Marques, considerando a urgente necessidade de intervenção da administração municipal de forma imediata e continuada, umas das estratégias é atender as comunidades rurais através de caminhões pipa e fazer a distribuição de tubulação e instalação de reservatórios de água. Também será necessário a abertura e equipagem de novos poços tubulares.

“O abastecimento de água em Montes Claros está comprometido em decorrência do baixo índice pluviométrico registrado e da falta de recarga de aquíferos. Com a redução da disponibilidade de água, cerca de 50 comunidades rurais encontram-se prejudicadas com racionamento do abastecimento de água para consumo humano e animal. A partir desse trabalho conjunto com a Prefeitura, esperamos reparar estes problemas o mais rápido”, afirma o técnico.

De acordo com o secretário da Defesa Social, Anderson Chaves, os agentes da defesa Civil já protocolaram as ações e enviaram para o órgão responsável em Belo Horizonte. “Além disso, a Prefeitura está monitorando no município outros procedimentos que podem ser feitos de imediato para amenizar os efeitos da seca”, disse.

O secretário de Agricultura, Osmani Barbosa, ressalta que o prefeito está providenciado a execução do planejamento traçado e, enquanto isso, o decreto assegurará o produtor rural, no acondicionamento do seu trabalho. “Proporcionar melhores condições de vida ao meio rural é um dos objetivos da atual gestão e vamos empenhar para garantir isso”, conclui.

REFIS 2017

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Câmara aprova projeto da Prefeitura que perdoa juros e multas do cidadão em débito com município


A Câmara de Vereadores de Montes Claros votou na manhã desta terça-feira, 14, pela aprovação do Projeto de Lei 01/2017, de autoria do Executivo, que institui o Programa Municipal de Recuperação Fiscal – REFIS 2017, concedendo anistia de multas e remissão de juros para os contribuintes em débito com o município.

O objetivo do REFIS é, além de permitir que a população fique em dia com suas obrigações fiscais, aumentar a arrecadação do município permitindo investimentos na infra-estrutura básica da cidade. O Programa irá beneficiar pessoas físicas e jurídicas cujos débitos com o município, ajuizados ou não, tenham vencido até o dia 31 de dezembro de 2016. O REFIS permitirá o parcelamento da dívida em até 12 vezes (inclusive através de cartão de crédito), com anistia de 100% de multas e remissão de 100% de juros.

O Projeto de Lei foi aprovado pelos vereadores com a inclusão de algumas emendas e segue para sanção do prefeito Humberto Souto para que o Programa possa ser implementado na cidade.

Ascom-Prefeitura

Feira do Livro

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Memorial Darcy Ribeiro poderá ser usado pelo MinC

 Em reunião nessa quinta-feira (16), o ministro da Cultura, Roberto Freire, recebeu o presidente da Fundação Darcy Ribeiro, Paulo Ribeiro, e o secretário municipal de Cultura de Montes Claros (MG), João Carlos Oliveira. Estiveram na pauta o apoio a projetos culturais do município mineiro e a melhor utilização pelo Ministério da Cultura (MinC) do Memorial Darcy Ribeiro, que foi construído com recursos do Fundo Nacional da Cultura (FNC) no campus da Universidade de Brasília (UnB).
Filial da Fundação, o memorial reúne o acervo do antropólogo e educador Darcy Ribeiro, além de dispor de uma estrutura com equipamentos e espaços voltados ao ensino a distância. "É uma boa oportunidade de chegarmos às prefeituras com cursos de formação de gestores e entusiasmar quem dê continuidade aos trabalhos na ponta", declarou Freire ao avaliar como o MinC poderia incorporar suas atividades ao memorial.
Refletindo uma das prioridades da gestão da Pasta, o apoio à Feira do Livro de Montes Carlos também esteve em pauta. O ministro da Cultura ainda orientou os gestores a como buscar incentivos a projetos culturais locais via Lei Rouanet, como a construção do primeiro teatro do município mineiro.

Assessoria de Comunicação - Ministério da Cultura

Perda dos mandatos

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Ailton do VillageIdelfonso da Saúde estão com os dias contados na Câmara de Montes Claros

  - Justiça analisa cassação dos dois vereadores

Por Girleno Alencar - Jornal Gazeta

O juiz Fausto Geraldo Ferreira Filho, da 317ª zona eleitoral de Montes Claros, está analisando o pedido de anulação da eleição e consequente perda dos mandatos dos vereadores Ailton Soares dos Reis, o “Ailton do Village” (PHS), e Idelfonso Araújo, o “Idelfonso da Saúde” (PMDB), requerida pelos suplentes Celso Câmara (PMN) e Antônio Silveira de Sá (Rede de Sustentabilidade), respectivamente. Desde o dia 16 de dezembro que os dois suplentes pediram a revisão dos cálculos que definiram os eleitos pela média partidária, pois teria havido erro na formulação da equação inserida no Sistema do Tribunal Superior Eleitoral e, assim, tanto o PMN como a Rede de Sustentabilidade ficaram sem uma cadeira cada.

O processo está com a promotora eleitoral Aluísia Beraldo Rodrigues, para se manifestar. A previsão é que dentro de 20 dias saia a decisão. Os especialistas ouvidos pela GAZETA salientaram que, se a Justiça Eleitoral acatar os pedidos formulados em Montes Claros, abrirá um precedente nacional, pois os dados apresentados nas urnas são inseridos no site do TSE, que define o coeficiente e define os eleitos. O advogado Adriano Guilherme de Aro Ferreira, do Diretório Estadual do PHS, na defesa que fez do vereador Ailton do Vilage, alega que não dá para acatar a argumentação apresentada para fazer nova equação, pois subverteria toda a lógica matemática e jurídica do computo da vaga por média de votos. Ele salienta que isso desprezaria a média, a fim de que os votos absolutos passem a definir o calculo das vagas não preenchidas pelo coeficiente partidário.

Na defesa, o advogado Adriano Guilherme de Aro Ferreira lembra que o artigo 109 é claro e não deixa margem para dúvidas, pois o objetivo é verificar quantos votos cada partido utiliza para o preenchimento de cada cadeira, contemplando aquele que atingir a maior média por cadeira. Ele mostra que o PHS obteve 19.522 votos válidos em Montes Claros, dando o coeficiente de 6.507 votos, ou seja, com direito a eleger dois vereadores diretamente e mais um do coeficiente, enquanto o PMN teve 12.621 votos, com direito a um vereador, pois atingiu o coeficiente 6.311. Na sua concepção, se acatado o pleito do PMN, estaria derrubando a vontade soberana dos eleitores, manifestada nas urnas.

O resultado da eleição de 2016 mostrou o vereador Ailton Soares com 2.342 votos e Idelfonso com 1.823 votos. O suplente Antônio Silveira alcançou 2.010 votos, e o suplente Celso Câmara 1.843 votos. Os 23 vereadores eleitos foram Claudio Prates, com 3.191 votos; Soter Magno, com 3.111 votos; Claudinho da Prefeitura com 3.101 votos; Raimundo do INSS com 2.980; Marcos Nem com 2.940 votos; Valcir da Ademoc com 2.892 votos; Graça do Motor com 2.725; Marlon com 2.546 votos; Wilton Dias com 2.375 votos; Ailton do Vilage com 2.342 votos; Valdeci Contador com 2.189 votos; Pastor Elair com 2.186 votos; Edmilson Magalhães com 2.097; Rodrigo Cadeirante com 2.081; Valdivino Antunes com 1.947; Leão com 1.854 votos; Idelfonso da Saúde com 1.823; Maria Helena com 1.775 votos; Lega Oliveira com 1.743 votos; Daniel Dias com 1.629; Aldair Fagundes com 1.620; e Néia da Assistência Social com 1.432. 

Nenhum direito a menos

Escrito por Luis Carlos Gusmão.

Protesto reúne milhares de pessoas em Montes Claros

 - O protesto contra o projeto de reforma da previdência em Montes Claros reuniu centenas de pessoas, ontem de manhã, quando sindicalistas comandados pela Frente Brasil Popular tomaram conta das ruas centrais. Os organizadores estimam que 2.000 pessoas participaram do evento. A grande força veio da rede estadual de ensino, que suspendeu as aulas. A rede municipal continuou com as aulas normalmente. O presidente Michel Temer foi mais uma vez o foco, sendo acusado de golpista. Alguns segmentos sindicais participaram pela primeira vez, como dos Comerciários e Polícia Civil. Um grupo de sem-terras de Bocaiuva reforçou a mobilização. Foi uma das maiores manifestação realizada pela Frente Brasil Popular em Montes Claros.

Apesar dos organizadores terem assumido o compromisso com a Polícia Militar de rápida passada pela praça Doutor Carlos, na verdade, ficaram mais de 20 minutos, aproveitando o grande fluxo de pessoas naquele local. Os manifestantes tinham decidido passar pelas agências do Banco do Brasil e Caixa Econômica, além do INSS. Os participantes tiveram que enfrentar o forte calor que dominou Montes Claros. Desde às 8h30 começaram a aparecer os manifestantes na praça Raul Soares, que as 9h40 saíram pelas ruas da cidade. Apesar do esforço da Polícia Militar e da MCTrans, foi inevitável o congestionamento de carros nas ruas centrais.

O presidente regional do SindUte, Geraldo Costa, contextualizou a crise política nacional atual, citando que mais de 300 políticos estão envolvidos na Lavajato e que a população não pode pagar pelas roubalheiras desses bandidos em Brasília. O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Flávio Oliva, tentou alegar que a educação municipal não tinha aderido à campanha, mas teve que mudar o discurso, pois desagradou a vários professores. Vilma Mendes tomou a iniciativa de chamar todos participantes a rezarem o Pai Nosso, pois entende que toda luta tem de contar com o apoio de Deus. O diretor regional do Sindicato dos Policiais Civis, João de Deus, salientou que a campanha tem de dar certo, pois começa com 2.000 e na próxima tem condições de alcançar os 5.000.

A aposentada Maria Evangelina de Almeida, de 63 anos, foi a manifestação por entender que tem de defender os interesses dos filhos e netos, pois se aprovada a reforma da previdência, eles não conseguirão se aposentar em vida. Com aposentadoria de R$ 1.129,00, Maria Evangelina salienta que tem conseguido sobreviver com essa remuneração. Ricardo Pereira de Souza trouxe um cartaz reclamando que os tucanos não foram presos na Lavajato, pois entende que estão envolvidos até o pescoço. Maria de Lourdes Santos entende que o Brasil não pode permitir que a reforma previdenciária seja aprovada, pois seria o caos social no país.

Girleno Alencar - Jornal Gazata